Biografia | Bibliografia | Criticas e Recensões | Opinar | Notícias | Links
Palavras apócrifas / Cartas do meu castelo

Cartas do meu castelo / Palavras apócrifas

Diáro de Alba - Diari d' Alba

Olhar... e ver

Pensar Diverso e Outras Claridades

Conversa de Cavalos

O último Silvo do vapor

O Cão da Bela Adormecida

Antologias e Colectâneas

Dez anos de S. João

RÓMULO, Nome de Código

Lis & Lena (Saga Imaginária)

Tripeça

Uma frutinha boa... outra com bicho

Renascer em Córdova

In pulverem

O Legado de Mireia

Poema de Outono

O alto espaldar da cadeira de verga

O Odres

Boa viagem e até amanhã...

Cerco de arame farpado

Cartas do meu castelo / Palavras apócrifas
Ulmeiro

Aproximaram-se do acampamento cigano e estacionaram. O velho estendeu uma toalha na relva, pegou na cesta da merenda e começou a cortar fatias de pão e rodelas de chouriço.
— Não tens Twix?
— Não sei, acho que não; nem sei que diabo de coisa é essa
— É uma merenda muito porreira de bolacha crocante com chocolate.
— Então não tenho mesmo. Queres pão com chouriço à moda antiga?
— Se não há outra coisa!
Separou duas fatias do pão caseiro e recheou‑as com um bom naco de petisco. Embora receoso o neto provou,
— É bom, é fixe.
(in O Velho, o Rapaz e o Trem)



© 2019 Luís Vieira da Mota | Todos os direitos reservados | by: Hugo Gameiro