Biografia | Bibliografia | Criticas e Recensões | Opinar | Notícias | Links
Palavras apócrifas / Cartas do meu castelo

Cartas do meu castelo / Palavras apócrifas

Diáro de Alba - Diari d' Alba

Olhar... e ver

Pensar Diverso e Outras Claridades

Conversa de Cavalos

O último Silvo do vapor

O Cão da Bela Adormecida

Antologias e Colectâneas

Dez anos de S. João

RÓMULO, Nome de Código

Lis & Lena (Saga Imaginária)

Tripeça

Uma frutinha boa... outra com bicho

Renascer em Córdova

In pulverem

O Legado de Mireia

Poema de Outono

O alto espaldar da cadeira de verga

O Odres

Boa viagem e até amanhã...

Cerco de arame farpado

Poema de Outono
Editorial Diferença, 2002

O musgo cobre as pedras
Adoçando-lhe os gumes e arestas
Numa capa de ternura
Arrastada pelo tempo
Com cicatrizes de experiência
Enquanto os cogumelos perfuram
O manto de podridão e exibem
A monotonia dum branco doce
Ou a garridice letal da sedução
Na esperança justificada
De serem em breve os únicos seres à face da terra,

In Poema de Outono


© 2021 Luís Vieira da Mota | Todos os direitos reservados | by: Hugo Gameiro